;

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Caso: Sequestro em Santo André

Após mais de 100 horas de cativeiro, em Santo André, no ABC paulista, o sequestrador Lindembergue Fernandes Alves, 22 anos, foi capturado em uma operação da polícia militar de São Paulo. A adolescente Eloá Pimentel, 15 anos, mantida refém pelo ex-namorado saiu do cativeiro com dois tiros: um na cabeça, outro na virilha esquerda e encontra-se em um quadro gravíssimo. Ainda não há confirmação se as balas saíram do revólver do seqüestrador ou se ela foi alvo de uma operação desastrosa da polícia.
A amiga de Eloá, Nayara Silva, 15 anos, que também era refém, fica ferida e chega ao hospital respirando com ajuda da ventilação mecânica. Ela levou um tiro na boca, mas não corre risco de vida. Pouco depois, já estava consciente e falava, foi quando deu o depoimento contando que a amiga era espancada por Lindembergue no apartamento.
O caso teve início na tarde de segunda e foi o mais longo registrado no Estado de São Paulo veja todo o cronograma do caso:

Dia: 13/10/2008
*Às 13h30, Lindembergue invade apartamento do Conjunto Habitacional onde Eloá, Nayara e outros dois amigos faziam um trabalho escolar;
*Às 20 horas, o pai de um dos meninos, estranha a demora do filho em voltar para casa, foi até o apartamento e aciona a Polícia Militar assim que descobre o que ocorria dentro do imóvel;
*Às 21h15, um dos garotos foi liberado por Lindembergue;
*Às 23 horas o segundo garoto deixa o apartamento.

Dia: 14/10/2008
*Pela manhã, Lindemberg faz três aparições nas janelas do apartamento; *Por volta das 7 horas, ele e uma das reféns aparecem na janela basculante do banheiro e, um pouco mais tarde, ele volta à janela com uma touca ninja acompanhado da outra jovem que ainda é mantida refém;
*Às 15h50, uma das meninas aparece na janela do banheiro;
*Às 16h15, Alves coloca uma camiseta do time São Paulo em uma das janelas do apartamento;
*Por volta das 16 horas Nayara foi libertada por Lindembergue;
*Às 23 horas: polícia interrompe negociações.

Dia: 15/10/2008
*A polícia retoma as negociações com Lindembergue pela manhã;
*Pela manhã, Lindembergue aparece na janela, coloca o revólver para fora, mas não dispara;
*Segundo a polícia, desde a tarde de segunda, quando o apartamento foi invadido, ele dispara quatro vezes contra as pessoas que estavam em frente ao local. Para evitar que os tiros atingissem alguém, a polícia isolou a área;
*Eloá recebe comida pela janela, colocada em uma trança de lençóis e puxada até o terceiro andar do prédio, no começo da tarde;
*Nayara presta depoimento à polícia sobre o seqüestro;
*Em entrevista à RedeTV, Alves afirmou que faz a menina refém pois "queria conversar".

Dia: 16/10/2008
*Até as 2 horas de quinta-feira, da Rua dos Dominicanos, era possível perceber luzes no interior do apartamento. Parte da claridade vinha do aparelho de TV, que foi desligado pelo seqüestrador depois deste horário; *Por volta das 9 horas, Nayara, amiga da adolescente solta na noite de terça-feira, voltou ao apartamento para tentar negociar o fim do seqüestro;
*Momentos antes, Eloá apareceu na janela do apartamento e Lindembergue Alves estava atrás dela falando ao telefone. A nova tentativa de negociação foi frustrada e o pai de Eloá passa mal e tem que ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu);
*O superintendente de futebol do São Paulo e vereador eleito pelo DEM na capital paulista, Marco Aurélio Cunha, informa que iria para o local negociar com Lindemberg, mas foi impedido pela polícia.

Dia: 17/10/2008
*O metalúrgico Luciano Vieira da Silva, pai da estudante Nayara Vieira é "convidado" a se retirar da escola que abriga o QG da polícia. Ele quer saber notícias da filha;
*Quatro soldados da Polícia Militar entram em um apartamento vizinho ao de Eloá Cristina Pimentel da Silva, onde ela e a amiga Nayara são feitas reféns em Santo André;
*O contato com o seqüestrador fica suspenso desde a tarde do dia 16;
*Às 4h50, de sexta-feira há troca de turno entre os policiais incumbidos de negociar com Lindembergue;
*Ás 5h10 alguns dos PMs aproximam-se da porta de entrada do imóvel, mas, resolvem recuar. Durante toda a madrugada, a polícia não passou informação alguma à imprensa, que é mantida longe do bloco onde fica o apartamento da vítima;
*Às 18h08, policiais do Gate invadem o apartamento onde Lindembergue Alves mantem Eloá refém. Eloá, baleada na cabeça e na virilha, está em estado grave. Nayara foi baleada no rosto e não corre risco de morte.

19 comentários:

tunico disse...

O único e grande culpado desta triste história é o sequestrador. Num caso destes a polícia não pode ser culpada pois a ação da pessoa desequilibrada que comete um ato destes é imprevisível. Se a polícia invadisse o local e o sequestrador matasse a refém em represália seria a polícia considerada culpada? Sim! Pela imprensa sensacionalista e por aqueles sem bom-senso. Se a polícia não invadiu e mesmo assim o sequestrador baleou a refém é a polícia considerada culpada por inação? Sim! Pela imprensa sensacionalista e por aqueles sem bom-senso.

É bom lembrar que o GATE atende casos deste tipo quase que diariamente e os resolve na maioria com sucesso. Neste caso infelizmente não foi assim.Mas como eu digo, faz parte do jogo da vida.

Reitero: o grande culpado é o rapaz que cometeu um ato tresloucado e deve pagar por isto.Pronto.

DANIEL PEARL disse...

Sebastião Santos, também gostei do seu blog, criativo, página interessante e conteúdo também. Um forte abraço, Daniel - editor do Desabafo Brasil.

Neto disse...

Dificil é explicar o que se passa na cabeça de uma pessoa como ele para cometer uma atrocidade dessa...

[]'s

Neto disse...

Dificil é explicar o que se passa na cabeça de uma pessoa como ele para cometer uma atrocidade dessa...

[]'s

Anônimo disse...

a policia sabia que o Lindembergue dormia e nao entrou pela janela naquele momento como tambem quando foi feito o lançamento da bomba nao tinha já preparado do lado de fora policiais na janela para entrar junto aos que estavam ja porta da frente.

Mary disse...

Olá,
Vim retribuir e agradecer a visita e, fazer meu comentário sobre este caso. O fim nestes tipos de sequestro é sempre trágico, desta vez a polícia vacilou, deveriam ter colocado algum sonífero na comida do sequestrador, o fim desta história certamente seria bem melhor.
Um abraço

Eduardo P L disse...

Parabéns pela POSTAGEM. Concordo que neste caso o ùnico REPONSAVEL é o desequilibrado SEQUESTRADOR! A Polícia fez CORRETAMENTE sua parte!

Saramar disse...

Sebastião, obrigada por me avisar.
Diante deste caso, confesso-me engasgada.
De qualquer ângulo, só vejo os erros, provavelmente pela "emoção do momento", argumento muito usado pelos guardiões da lei.
Confesso que, no momento, não tenho a tranquilidade necessária para falar sobre esta tragédia porque meus sentimentos estão primitivos. E não gosto de me sentir assim.
Eu volto.

beijos, bom domingo.

Grace Olsson disse...

oLha, te vi na reclinada e vim te ler.
eu sou brasileira, nao vivono Brasil e li sobre esse caso.
Sinceramente, falando...nmão adianta criticar as ações da PM. O grande culpado é o sequestrador.
O único erro da PM foi enviar a amiga da Eloá de volta ao cativeiro.Isso fere todas as regras do bom senso. Átitude inadmissível.
Independente de que lado tenha vindo a bala...nãom devemos tirar o sequestrador da posição degrande vilão.
Se, cada vez que um individio for rechaçado na vida amorosa, fizewr oq ue ele fez a vida se tornará insípida...
DIAS FELIZES.
BELO POST. BELO BLOG.
GRACE OLSSON
www.eueorenascerdascinzas.blogspot.com

Yvonne disse...

Oi querido, vim aqui agradecer a sua visita. Quanto a esse caso, estou tremendamente triste. A moça acabou tendo morte cerebral. A polícia foi muito despreparada e uma mocinha na flor da idade acabou tendo esse fim. Não tenho mais condições de falar.
Beijocas

Fábio Mayer disse...

Há vário aspectos neste caso, que chamam a atenção:

1. A polícia errou. Pode ser que tenha errado só neste caso, pode ser que ela resolva vários parecidos por dia, mas errou! Sabiam da periculosidade do indivíduo, que foi relatada pelas pessoas que estiveram dentro do apartamento com ele. Sabiam que ele entrou atirando no apartamento. Tinham-no na mira por várias vezes. Porque os atiradores de elite não agiram?

2. Não consigo conceber uma menina de 12 anos namorando um homem de 19, ainda mais ele sendo dessa "estirpe".

3. O caso está envolto em situações estranhas, a maior, a volta da garota ao cativeiro, por vontade própria.

Magui disse...

Eu acho interessante esse monte de gente que viu tudo de longe falar em responsabilidade da polícia.Não podemos perder o foco: o bandido é o rapaz que agora tenta dar-se de doido.

Na verdade,importante agora é o clamor público para este cara pegar trinta anos de a cadeia.Já pensou daqui uns meros cinco anos e ele transitando por aí...

andre wernner disse...

A irresponsabilidade também está tomando conta da chamada mídia. Acontece que esse rapaz, o tal Lindenbergue é um alucinado, e pelo que demonstrou é sim, bastante perigoso. O pior de tudo é que ele, ao se ver na televisão, assumiu, obviamente, uma nova postura e no controle da situação.

Achou-se um artista ou uma personalidade em destaque durante as cem horas que durou o seqüestro com o fim trágico das duas jovens. A polícia avaliou mal. Mas, acredito, o pior foi a demora para que a mesma polícia acabasse com o seqüestro. E, dessa forma, Lindenbergue, pelo que mostrava a televisão, crescia em poder, e barbárie.

A imprensa deveria registrar os acontecimentos, mas não dar essa visibilidade ao marginal. Digo marginal, pois a sua atitude foi de marginal. Em nome de um amor louco, estragou a vida da ex-namorada, além de traumatizar a outra moça, também ferida a bala no rosto e já fora de risco de morte.

Outro fator que me chamou a atenção é que o tal Lindenbergue namorara a moça há três anos. Quando começaram a namorar ele tinha 19 anos e ela – pasmem! – 12 anos. Uma criança. Está aí também, uma deformação na educação das crianças. Enfim, em tudo, nesse caso, está uma sucessão de erros gritantes.

Enquanto isso, o sensacionalismo da imprensa para conquistar pontos de audiência com a desgraça alheia. É preciso um Código de Ética para esse tipo de cobertura jornalista.

Sem proibição. A imprensa tem que ser livre. Mas responsável.
Lamentavelmente, segundo as últimas informações, a ex-namorada do delinqüente não tem mais chances de vida está com morte encefálica. Uma tragédia, sem dúvida. Mas, não tem outros culpados, a não ser o Lindenbergue Alves.
Abs

guto leite disse...

Bom, em primeiro lugar meu nome é Guto Leite e estou vindo do Blog Escrivinhações da minha amiga Saramar .. quanto ao fato do seqüestro .. pouco ou quase nada tenho a acrescentar ao que já foi amplamente divulgado pelos meios de comunicação .. só acrescentaria o fato desse rapaz estar muito doente psicologicamente .. a policia não estava lidando com quem ela esta acostumada a lidar .. culpá-la agora seria muito simplista de nossa parte .. um grande abraço do amigo carioca

Jeanne disse...

Acompanhei o caso, e confesso, que a ânsia de tentar resolver a situação com final menos trágico, me parece fazer com que a sociedade fique imaginando soluções para a atuação da polícia.
No meu entender, acho que aconteceram alguns enganos, mas antes de concluir as investigações, prefiro aguardar.
Não podemos nos deixar levar pela emoção do momento.
Beijos

Antonio Serzedelo disse...

Escrevo-vos de Lisboa,Portugal e sou o editor do portal de radio "Vidas Alternativas" bastante visitado por irmaos do Brasil .Acompanhei esse caso violento de "amor-morte "
Nao me posso pronunciar se a policia podia ter agido com mais destreza,e se o nao fez,por os seus corpos serem homens,portanto, muitas vezes com uma atitude displicente quando ha mulheres, vitimas de homens.
Em todo o caso, aqui, o grande culpado é o matador-namorado.E convem nao desviar as atençoes disso,senao acaba-se culpando a policia e desculpando o assassino,abrindo o caminho a outros casos .Este é um caso tipico

"violencia domestica " a precisar de uma replica forte da soceidade civil, exigindo dos poderes publicos leis mais exigentes, com penas mais duras,para todos os que sao violentos contra as mulheres, indefesas, sejam esposas, companheiras,simplesmente mulheres, ou namoradas.A atitude que prevalece ainda é uma atitude herança do colonialismo, de que a mulher era coisa- possse do homem ,e de que, portanto, ele poderia pôr ou dispor dela , a seu belo prazer, sexualmente,ou até ao limite da vida. Essa cultura machista tem de ser contariada,e compete ás mulheres brasileiras,antes de mais nada, porque sao as grandes e proncipais vitimas, organizarem-se para exigir do Estado e dos juizes mudança das leis e dos comportamentos.AS leis deverão passar a criminalizar o crime de violencia domestica, nao só os que o cometem ,mas tambem, todos os que deixam cometer, sao testemunhos e fecham os olhos ,ou nao falam.Toda a sociedade tem de ser envolvida nisso,para que haja uma consciencia social desse fenomenos transversal,e sem classe que atravessa as mentalidades machistas e sexistas,para o denunciar .Os blogues do Brasil,particularmentede mulheres devem fazer uma blogagem colectiva,por testemunhos no you tube, e acordar a consciencia social adormecida.Enfim, o matador, deverá ser julgado,com direito de defesa,mas a pena que sair, será uma mensagem muito forte para a sociedade civil, mudar,ou continuar com estes mesmos comportamentos
Saudações do
Antonio Serzedelo-
Lisboa Portugal

Sheherazade disse...

Olá!
Vim retribuir a sua visita, que me deixou muito feliz e pela qual agradeço, convidando-o a voltar sempre que quiser.
Quanto ao trágico desfecho do caso em questão, não tenho dúvida alguma que esse desequilibrado arrogante é o único culpado, pois entrou no apartamento determinado a matar a menina, fosse qual fosse a atitude da polícia. Antes de fazê-lo ainda teve os seus dias de celebridade, manipulando a imprensa, a própria polícia e a opinião pública. É certo que a polícia foi muito complacente deixando o sequestro se estender por tantos dias, dando-lhe a chance de levar a cabo o seu macabro plano, mas se ela tivesse agido antes, matando-o, esse mesmo público que hoje a condena estaria, ainda, condenando-a por atirar num "jovem de 22 anos, sem antecedentes criminais, que estava passando por um momento de desequilíbrio emocional".
Esta é a minha opinião.
Obrigada pela visita. Grande abraço!

Michel Queiroz disse...

Olá meu amigo... obrigado pela visita em meu blog... é um prazer vir até o seu blog tb...

Gostei do teor da matéria... é triste perceber tudo o que aconteceu e como aconteceu por negligência militar... Não há como confiar na Polícia.

Vá em frente!

Abraço!

PS: estou curioso para saber como achou meu blog...

Um Poema disse...

....

Obrigado pela visita.

Esta violência é simplesmente irracional e incompreensível.

Um abraço