;

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

INOVAR: O grande X da questão

Você já ouviu falar sobre o termo francês Vélib? O serviço Vélib é empregado em paris e é muito conhecido pela divulgação feita pela capital francesa, Paris. O que poucos sabem é que este serviço foi inspirado do modelo de bicicletas públicas utilizadas em São Paulo e Rio de Janeiro.
O Vélib resume-se no aluguel de bicicletas em que o usuário pega a bicicleta em um local e entrega em outro ponto da cidade.
Porém a ousada Paris a pouco decidiu inovar com a idéia brasileira. Após a bicicleta, Vélib, a cidade luz se prepara para pôr em marcha uma nova versão do serviço, alugando carros, o Autolíb.
O serviço é idêntico ao da bicicleta, ou seja, você pega o carro em um local e deixa-o em outro. O programa é excelente para usar o veículo em curtas distâncias, fazer
compras, sair a noite, ir ao aeroporto e nem precisa se preocupar com combustível, seguro, estacionamento.
A idéias é que haja grande rotatividade no uso do carro, utilizando-o apenas quando necessário, por curto período de tempo. Segundo o projeto do prefeito Bertrand Delanoë o custo para utilizar um veículo é a partir de € 4 (R$ 13) por cada meia hora de uso. Os carros deverão ser elétricos, menos poluentes, e recarregados nas estações. Deverão ser montadas 1400 estações para manter a circulação inicial de 4000 veículos na capital e na grande Paris.
De acordo com a visão socióloga o carro é menos visto como status social e passa a ser entendido como um serviço. E existe dois fatores fortes para consolidar o Autolíb: a perda do poder aquisitivo e a crise financeira.
Desta forma podemos ver a diferença entre os criativos e os inovadores. Os criativos criam e se acham o máximo quando alguém copia a idéia e não dão sequer um centavo. E os inovadores que copiam dos criativos sem dar nenhum centavo otimizam a criação dos criativos e faturam muito mais.

6 comentários:

Prometeo disse...

Saludos desde Puerto Rico:

NO sabía esto de las bicicletas públicas. Una buena idea.

Adelante y éxito.

Jordano Gonzatto disse...

Olá Sebastião, excelente post, e não tenha dúvida que o X é a questão. Obrigado pelo comentário no Blog da Qualidade http://excelenciadagestao.blogspot.com. Vou acompanha-lo pelo google reader. Sucesso.

paschoal disse...

Criativos ou inovadores o fato é que a idéia é brilhante!
A médio prazo irá tirar, com certeza, muitos veículos particulares de circulação o que agilizará o trânsito, o que será ótimo.

Segunda impressão disse...

Agradeço a visita lá no blog. Vim conferir o post que me indicou. Adorei o seu blog. Vou voltar aqui.
Embora este serviço seja bom é a idéia quanto às bicicletas tenha partido do mesmo modelo utilizado no Brasil, aqui, isso é muito pouco utilizado. Apenas em algumas localidades isso funciona. Isso "pegou" com mais força na França mesmo! Que bom!
Já quanto ao serviço de carros, penso que também não funcione aqui no Brasil não... São Paulo já é conhecido pelo transtorno do seu trânsito, havendo inclusive rodízio de carros para circularem... No Rio então, seria uma boa pedida para a fuga dos assaltantes de plantão.
Que bom que é inovação para a França! Que bom!
Ótimo texto!
Abraço.

Daniel Savio disse...

É interessante, sendo que já tinah visto algo parecido com a idéia, mas além do serviço de carros "publicos", este mesmo carros seriam ecologicos...

Devidamente votado e promentendo voltar sempre, está bem?

Fique com Deus, meninos.
Um abraço.

Daniel Savio disse...

É interessante, sendo que já tinah visto algo parecido com a idéia, mas além do serviço de carros "publicos", este mesmo carros seriam ecologicos...

Devidamente votado e promentendo voltar sempre, está bem?

Fique com Deus, meninos.
Um abraço.