;

terça-feira, 16 de junho de 2009

Que venha 2014!!!

Há muitos que criticam a realização de uma Copa no Mundo dentro de seu próprio país alegando gigantescos gastos para adaptação às rígidas exigências feitas pelo órgão máximo do esporte, a FIFA, enquanto milhões de pessoas vivem abaixo da pobreza precisando de assistência.
São inegáveis os altos gastos principalmente no Brasil em que foram selecionadas 12 cidades para sediar os jogos da Copa do Mundo de 2014. É evidente que até o presente momento não existem valores exatos para suportar tal evento, mas previsões sinalizam para algo entre os R$ 60 a R$ 100 bilhões de reais.
Tais valores animam principalmente a construção civil que promete ser o grande motor da economia brasileira nos próximos cinco anos. E não para por aí, a maioria dos investimentos são para uso e fruto da população do próprio país. Os investimentos abrangem as mais diversas áreas, entre elas: Transportes (expansão da rede metroviária; estacionamentos; novos corredores de ônibus; ampliação de aeroportos; trem bala) Telecomunicação (ampliação e melhora da qualidade dos serviços) Energia (reforço das redes de distribuição de energia e garantia de fornecimento nos horários de pico) Hotelaria (expansão para atender à demanda de aproximadamente 500 mil turistas) Infra-Estrutura (reforma e construção de estádios, com estacionamentos amplos, evitando congestionamento nos mesmos).
A expectativa é de que até 2014 a Copa impulsione o Produto Interno Bruto (PIB) do país de forma considerável, afinal, a cada um bilhão gasto estima-se a criação de 58 mil empregos diretos e indiretos; além de que a previsão acredita que a rede hoteleira lucrará R$ 218 reais/dia por cada turista (aguarda-se 500 mil turistas) e não seria justo esquecer o fabuloso projeto de ação social comandado entre a FIFA e o país sediador da competição construindo centros avançados com escolas, escolas esportivas, assistência social entre outros serviços prestados para os menos favorecidos, que funcionaram para o resto da vida.
Certamente uma Copa do Mundo exige muito, tanto em planejamento quanto em gastos, porém o retorno é notável seja social ou lucrativo, seja capitalista ou beneficente e afinal de contas estaremos todos ligados pela conquista do hexa ou hepta campeonato mundial.

2 comentários:

paschoal disse...

Meu caro, tecnicamente você está certo, mas, aqui é o brasil e, de todo esse dinheiro previsto para o benefício do povo, metade será desviado para um certo caixa 2.
Em julho/agosto de 2014, logo após o término da competição gostaria que você postasse sobre os maravilhosos resultados de seu otimismo em que pese que eu gostaria que isso se transformasse pela primeira vez nos últimos 500 anos em realidade!

Daniel Savio disse...

Espero que realmente seja assim que você pensar, pois seria maldade usar o dinheiro do povo que seria usado na maior esporte do nosso Brasil.

Fique com Deus, menino.
Um abraço.