;

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Che: Herói ou Vilão?

Completa-se amanhã 42 anos do fuzilamento de Ernesto ‘Che Guevara’ e até hoje críticos travam uma guerra, ao menos dialética, para esclarecer se Che foi um mito revolucionário esquerdista ou um violento assassino do regime de Fidel Castro.
Sua morte aconteceu dia 9 de outubro de 1967 na escola do povoado de La Higuera, na Bolívia. O exército boliviano capturou Che em um confronto em que o guerrilheiro foi ferido na perna. O cubano Félix Rodríguez, agente da CIA, após lutar muito para prendê-lo teve a oportunidade de conversar durante horas com o prisioneiro, seu maior inimigo.
Rodríguez e Guevara conversaram por mais de três horas e Che justificou as mortes que havia ordenado dizendo sempre que eram agentes imperialistas e espias da CIA. Após o longo diálogo Rodríguez anunciou que iriam matá-lo, então Che ficou muito branco e disse que era melhor assim e que nunca deveria ter sido capturado vivo e gostaria que fosse o ex-inimigo quem o matasse, porém foi executado pelo soldado boliviano Mário Terán, a mando do Coronel Zenteno Anaya,.
O Comandante Huber Matos, um dos últimos a ver Che vivo, afirma que o guerrilheiro antes de ser morto amaldiçoou os irmãos Castro (Fidel Castro e Raúl Castro) por terem o deixado abandonado na Bolívia. (foto: Fidel, Raúl e Che)

2 comentários:

magoo disse...

Como assim, meu querido? Que conversa é essa de "críticos travam uma guerra... pra esclarecer se Che foi um mito revolucionário"...??? É óbvio que o Homem foi um herói. Sua disposição corajosa para libertar a America Latina do julgo absolutista estadunidense está registrada em livros, documentários, e matérias jornalísticas. Sua preocupação com a dignidade e a saúde dos injustiçados desta terra e sua dedicação à vida está evidente na escolha de sua profissão e no modo como optou por exercê-la. Se o caminho da luta armada seguido por Che pode ser questionado, o mesmo não se pode dizer de sua virtude nem de sua condição de herói. Querer reduzí-lo a "um assassino" é assumir um ponto de vista no mínimo estúpido, aceitável apenas para quem acha que a sociedade ideal é aquela vendida nos comerciais estadunidense dos anos 50... que fizeram muito sucesso no Brasil dos anos 60... mas que não colam no Brasil olímpico e assumidamente latinoamericano.
Sai dessa, meu querido.
Hasta la vitória Siempre!!!

Dri Viaro disse...

Olá, passei pra conhecer seu blog, e desejar boa semana
bjss

aguardo sua visita :)